quarta-feira, 19 de abril de 2017

Seleção da 16ª Turma de Doutorado PPGE/FE/UFG

doutorado-1.jpg


  • Olá pessoal!!
  • Segue divulgação do edital para seleção para a 16ª Turma de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da UFG. Segue abaixo links para o edital, ficha de inscrição, termo de autodeclaração e declaração de disponibilidade.

  • Boa sorte aos que se candidatarem!!!!!

  • sábado, 25 de março de 2017

    Carne Fraca ou Efeitos do Capitalismo?

                                              Chaplin em cena de Tempos Modernos, de 1936

    Não poderíamos nos omitir sobre o caso da carne no Brasil. E nossa maneira de contribuir nesse debate, ora polêmico, ora policialesco, ora de vergonha nacional, é convidar os nossos seguidores e visitantes para ler um pequeno trecho de uma obra de Engels (A situação da classe trabalhadora na Inglaterra, 1845), e refletir sobre os efeitos das decisões e dos interesses daqueles que detém a riqueza, os instrumentos que produzem a riqueza e os espaços que a produzem, bem como, também explora e expropria dos trabalhadores o excedente da produção.

    Acredito que vale a pena ler esse pequeno trecho de Engels, sobre a alimentação do povo inglês naquela época... e que me parece bastante atual para nosso contexto, senão na totalidade, pelo menos enquanto princípio de organização da lógica metabólica do capitalismo.

    -$-$-$-$-$-$-$-$-$-$-$-$

    "Aos trabalhadores resta o que repugna à classe proprietária. (...) Em geral, as batatas que adquire são de má qualidade, os legumes estão murchos, o queijo envelhecido é mau, o toucinho é rançoso e a carne é ressequida, magra, muitas vezes de animais doentes e até mesmo já em decomposição. (...) A carne vendida aos operários é intragável; porém, uma vez comprada, é consumida. (...) Vende-se manteiga salgada como manteiga fresca, cobrindo-a com uma camada de manteiga fresca ou colocando uma libra de manteiga fresca para ser provada e, depois da prova, vendendo manteiga salgada ou, ainda, retirando o sal pela lavagem e apresentando-a como fresca. Ao açúcar, mistura-se farinha de arroz ou outros gêneros baratos, assim vendidos a preços altos; até mesmo resíduos de sabão são misturados a outras substâncias e vendidos no açúcar. Mistura-se chicória ou outros produtos de baixo preço ao café moído; ao café não moído, dando-se-lhes forma de grão, também se misturam outros artigos. Também é frequente misturar-se ao cacau uma finíssima camada de terra escura que, banhada em gordura de carneiro, deixa-se mesclar facilmente ao cacau verdadeiro. O chá vem misturado com folhas de ameixeira e outros vegetais, ou então folhas de chá já servidas são recuperadas, tostadas em alta temperatura sobre placas de cobre para que retornem a cor e vendidas em seguida. A pimenta é adulterada com cascas de nozes moídas etc. (...) E eu poderia citar mais uma dúzia delas - entre outras, a prática infame de misturar gesso ou argila à farinha" (Engels, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra, 1848).

    Engels está descrevendo isso no século XIX.

    Parece-nos que não é "carne fraca", é o capitalismo.

    VOCÊ NÃO ACHA ESTRANHO QUE OS TRABALHADORES DE HOJE REJEITEM OS TEXTOS DE ESTUDIOSOS COMO MARX E ENGELS?


    * Créditos inspirativos dessa postagem à amiga e querida Profa. Dra. Rita Márcia Furtado FE/UFG.

    sexta-feira, 24 de março de 2017

    Especialização em Educação Física Escolar - EAD/Encontros Presenciais


    O CIAR/UFG divulga que o Curso de Especialização em Educação Física Escolar – Modalidade a Distância será ofertado na modalidade a distância por meio do sistema Universidade Aberta do Brasil – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (UAB/CAPES), com atividades desenvolvidas no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA - Plataforma Moodle), nos polos de apoio presencial da UAB e, eventualmente, na sede do curso, Catalão/Go. (UFG - Regional Catalão).

    Carga Horária: 400 hrs


    Inscrições de 18/03/2017 a 27/03/2017 (segunda-feira)

    Mais informações baixe o edital CLICANDO AQUI

    Inscrições CLIQUE AQUI









    Simpósio Internacional “Ensino Desenvolvimental e Didáticas Específicas”

    O Simpósio Internacional “Ensino Desenvolvimental e Didáticas Específicas” tem como objetivo debater as interfaces entre o ensino desenvolvimental, as didáticas específicas e a formação de professores para o Ensino Fundamental. Inclui-se numa das linhas de investigação do Grupo de Pesquisa “Teorias da Educação e Processos Pedagógicos” (CNPq), cujo foco são as contribuições da teoria histórico-cultural e da teoria do ensino desenvolvimental para o ensino. As teorias de L.S. Vygotsky, A. N. Leontiev e V. V. Davydov, difundidas mundialmente e no Brasil, defendem que o ensino de disciplinas curriculares do Ensino Fundamental tem um papel no desenvolvimento das capacidades intelectuais dos alunos e na formação de sua personalidade. 

    O evento aborda, assim, temas relacionados com objetivos, programas e metodologias de ensino, especialmente de Línguas, Matemática e Ciências, no Ensino Fundamental.
    A relevância do evento está ligada ao grande desafio de superação do baixo desempenho dos estudantes brasileiros apontados por avaliações como PISA e Prova Brasil, entre outras, uma vez que tem como tem como objetivo geral a discussão das contribuições teóricas e práticas das referidas teorias visando sua incorporação à escola no contexto brasileiro. Desse modo, o Simpósio promove a discussão sobre a importância dos conteúdos e metodologias específicas para a melhoria do ensino em nosso país, de forma articulada à formação de professores.
    Público Alvo:
    • Professores e estudantes de Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação do Estado de Goiás
    • Professores de Cursos de Licenciatura em Pedagogia, Matemática, Química, Física, Biologia, Letras
    • Professores das redes públicas e privadas de ensino
    • Estudantes de cursos de licenciatura

    Fonte: Site do evento

    Mais informações e inscrições CLIQUE AQUI


    quarta-feira, 22 de março de 2017

    III Seminário da Rede Internacional de Escolas Criativas (Riec)

    O III Seminário da Rede Internacional de Escolas Criativas (Riec): Educação Transdisciplinar: Escolas Criativas e Transformadoras visa à socializar pesquisas, relatos de projetos de ensino, práticas educativas, curriculares e formativas criativas e inovadoras, e apresentar resultados de pesquisas.
    O intuito é promover a difusão do conhecimento, possibilitar o intercâmbio entre escolas, reconhecer boas práticas educativas, fortalecer parcerias nacionais e internacionais, e ampliar as relações entre universidades, escolas, professores, pesquisadores e a sociedade, impulsionando a articulação Investigação-Formação-Inovação. (Fonte: site do evento)

    QUANDO ACONTECE: dias 31 de agosto e 1º de setembro de 2017
    ONDE: Câmpus de Palmas da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas/TO

    Inscrições gratuitas!
    Cronograma
    • Prazo para envio de trabalhos: até 1º de junho de 2017
    • Publicação da lista dos trabalhos aprovados: 30 de junho de 2017
    • Lançamento dos anais: 1° de setembro de 2017





    Resultado Final - Processo Seletivo Mestrado em Educação UFG

    Saiu o resultado final do processo seletivo para a 30a turma de Mestrado em Educação da UFG.



    Acesse a lista aqui

    Pós-Modernidade e Modernidade - Mesa-redonda FE/UFG


    sábado, 4 de fevereiro de 2017

    Chamada de Artigos - Revista Inter-Ação FE/UFG





    Queridos seguidores e visitantes!

    A revista Inter-Ação da FE/UFG acaba de abrir uma chamada para artigos, para compor o dossiê de seu Volume 42, n. 2, maio-agosto de 2017, com o tema “Educação, Trabalho e Movimentos Sociais". 

    Os artigos deverão ser enviados, no período entre 01/03/2017 e 27/03/2017.

    Ementa: Os artigos a serem apresentados deverão refletir sobre a análise das relações sociais enquanto processo educativo numa perspectiva de centralidade do trabalho. Condições histórico-educativas que contribuíram para o nascimento dos movimentos sociais na modernidade e suas relações com o mundo do trabalho. Sociedade moderna e movimentos sociais numa perspectiva de descentralização do trabalho vivo e avanço do trabalho morto. Novas demandas sociais a partir da multiplicidade e da diversidade de movimentos sociais. Contemporaneidade, trabalho feminino, trabalho infantil e sistema de ensino no contexto desses atores sociais.

    As submissões poderão ser realizadas online através do endereço

    Em caso de dificuldades técnicas, por favor, entre em contato através 

    Revista Inter-ação FE-UFG

    quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

    2017 começa com formação continuada

    Olá queridos!
    Está aberto edital para o curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Física Escolar no Câmpus Eseffego/UEG, em Goiânia.

    Confira AQUI o edital.


    As inscrições começam dia 12 até  23 de janeiro e são gratuitas.
    O candidato deverá entregar todos os documentos descritos no EDITAL na Secretaria de Pós-Graduação do Câmpus Eseffego ou via procuração, de segunda a sexta-feira, das 13h às 17h.
    Serão oferecidas 40 vagas e podem se inscrever apenas profissionais com nível superior na  área da Educação Física.
    Secretaria de Pós-Graduação do Câmpus Eseffego.
    Av. Anhanguera, n. 3228, Setor Leste Vila Nova, Goiânia - GO
    Informações: (62) 3522-3514.

    Fonte: (Cecom|UEG)

    segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

    Disciplinas PPGE/FE/UFG 2017-1 Matrículas e Aluno Especial

    Olá visitantes e seguidores do nosso blog!!

    Já chegando no finalzinho de 2016, com todos os seus atropelos, atrasos e contradições no campo político, econômico, social e educacional, e já anunciamos também as demandas que vão se colocando para aqueles que almejam estudar no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFG, seja aos que serão aprovados na seleção em andamento da 30a Turma do Mestrado, sejam daqueles, que como você vai tentar uma vaga como aluna(o) especial. 

    Abaixo trazemos as disciplinas que serão ofertadas e as datas de matrícula e solicitações.

    É importante observar que não necessariamente, as disciplinas todas ofertam vagas para especial. Apenas no dia 30/03/17 sairá a lista das disciplinas que estarão ofertando essas vagas.

    De todo modo, boa sorte aos candidatos desse atual processo seletivo e aos que tentarão vagas como especial.

    Abraços

    Datas importantes:

    27 de março de 2017, 14 horas: reunião de acolhimento para os alunos da 30ª Turma de Mestrado
    27 e 28 de março de 2017 - matrícula de alunos novos e veteranos do PPGE
    29 de março de 2017 - matrícula de alunos de outros programas de pós-graduação
    30 de março de 2017 - inscrição no processo seletivo para alunos especiais sem vínculo
    31 de março de 2017 - resultado do processo seletivo de alunos especiais sem vínculo
    03 de abril de 2017 - início das aulas

    sexta-feira, 25 de novembro de 2016

    Roda da Liberdade - Angola Capoeira Mãe


    Mais de Marx, na verdade...

    ... Mais Marx. É a nossa dica bibliográfica deste mês de novembro vai para um lançamento da Boitempo.



    "Esta obra ilustrada apresenta os principais argumentos e conceitos marxianos, além de textos introdutórios, instruções detalhadas e notas concisas para contribuir com a apropriação e difusão de conhecimento da crítica da economia política. Mais Marx conduz o leitor pelos conceitos e passagens centrais do Livro I d’O capital, de Karl Marx." 

    "Há alguns anos vem se consolidando um movimento de reabilitação do estudo de Marx e o retorno à sua análise da sociedade, em grande parte devido ao turbilhão social que assola o capitalismo global hoje, à insuficiência crônica das explicações neoliberais vigentes para o modo de funcionamento das relações econômicas e às agudas crises que o mundo vem enfrentando desde a década de 1990. Uma geração mais jovem de leitores – indiferente às batalhas e polarizações ideológicas do período da Guerra Fria – está começando a se interessar pela leitura d’O capital. Seja em universidades, sindicatos, movimentos sociais ou até por conta própria, pequenos grupos estão sentando para discutir a crítica marxiana da economia política. É exatamente esse processo que Mais Marx busca estimular."

    Fonte: Boitempo Editorial

    terça-feira, 22 de novembro de 2016

    1° Encontro Nacional de Pesquisadores de Políticas Públicas em Educação Física, Esporte e Lazer

    O 1° Encontro Nacional de Pesquisadores de Políticas Públicas em Educação Física, Esporte e Lazer, foi remarcado e já está chegando. de 15 a 17 de Dezembro na UFG/Goiânia. Atualize sua agenda com a programação abaixo.


    segunda-feira, 21 de novembro de 2016

    I JOPEQ - Jovens Pesquisadores da Educação do Centro Oeste



    O I Encontro Jovens Pesquisadoras/es da Educação do Centro Oeste e Norte do Brasil - JOPEQ tem a finalidade de reunir investigadoras/es do Centro Oeste e Norte brasileiros em Educação com o objetivo de promover reflexões e discussões sobre projetos de investigação recentes ou em curso, no âmbito do Mestrado, do Doutoramento ou do pós-doutoramento, nos eixos temáticos descritos.

    O evento organiza-se na modalidade workshop com a apresentação e discussão de trabalhos aceitos.

    Para saber mais informações e fazer sua inscrição CONFIRA AQUI

    sexta-feira, 28 de outubro de 2016

    Uma aula sobre o que é DESIGUALDADE!

    Cassado o direito de Greve no Brasil

    Bom dia queridas/queridos,

    Foi necessário transpor na íntegra o artigo de Eloisa Almeida, pois há muitos motivos para amplificarmos nossa indignação em todos os cantos desse país!!!


    Entre a vida e a greve 
    (by Eloisa Almeida, 27/10/16)

    O Supremo Tribunal Federal, por maioria, decidiu que servidor público deve escolher entre a vida e a greve.
    Isso mesmo. Apesar de ser um direito constitucional de primeira grandeza, daqueles que faziam a Constituição brasileira ser reconhecida e festejada mundo afora, a greve deixou de existir.
    A maioria do tribunal entendeu que o gestor público tem o dever de cortar o pagamento dos grevistas. Ou seja, se você entrar em greve, para protestar por melhores condições de trabalho, por igualdade de gênero, contra o arrocho, pela democracia, pela saúde, pela segurança, pela educação, ficará sem salário.
    Não importa se a reivindicação é justa. Não importa se é um direito. Não importa se não é abusiva. Não importa.
    Não deve mesmo importar aos ministros do Supremo Tribunal Federal e ao teto de vencimentos do funcionalismo público. Tampouco deve importar aos demais juízes, que ganham acima do teto.
    Mas certamente importa aos professores, cujo piso salarial é de pouco mais de 2 mil reais que garantem a vida de sua família. Mas agora eles serão obrigados escolher entre a vida e a greve.
    A decisão do Supremo Tribunal Federal parece ter sido feita por encomenda. A PEC 241, o desastre das políticas sociais brasileiras, certamente inviabilizará a continuidade de muitos programas e precarizará outros tantos. Votada por um Congresso Nacional apodrecido e amparada por um governo cuja legitimidade não virá, a PEC 241 seria objeto de muitos protestos e greves: contra a PEC 241 por uma educação de qualidade; contra a PEC 241 por uma saúde pública universal. Contra a PEC 241 pela Constituição!
    A situação que se desenha é, portanto, curiosa. Se protestar, o salário é cortado e a opção é entre a vida e a greve. Se não fizer protesto e a PEC 241 for aprovada, a escolha é entre a morte a greve.
    Seria cômico se não fosse trágico. A única opção dada pelo tribunal para não cortar salários seria quando o poder público estivesse praticando ato ilegal, como atrasar pagamentos. Elementar! Se o servidor já não recebe o seu salário, e por isso entra em greve, não há o dever do gestor em descontar o pagamento.
    Mas é só trágico. O mesmo Supremo Tribunal Federal que mudou seu paradigma para admitir o mandado de injunção na garantia do direito à greve, agora esvazia o direito constitucional.
    Ninguém nega a necessidade de regulamentação, de acordos, de fiscalização. Todos sabemos que serviços públicos essenciais devem funcionar independentemente da greve. Ninguém ignora que possam existir oportunistas e abusos. Mas isso não é sinônimo de greve. Greve é sinônimo de direito. Invariavelmente, a greve é pelo direito de todos.
    O tribunal parece mesmo achar que direito não é lá grande coisa. Estudamos – assim como os ministros de notável saber jurídico – que ter um direito é uma coisa importante, algo capaz de proteger contra abusos e violações. Um direito fundamental, então, é uma maravilha! Ele exige sempre mais, não pode ser abolido, não pode retroceder e coloca o sujeito (de direitos) em uma posição elevada. Mas não importa a teoria dos direitos fundamentais. Ela é só teoria. É só o direito.
    A cada interpretação mal-ajambrada do Supremo ficamos mais distantes do projeto constitucional de 1988. Aquele da Constituição Cidadã, do Estado Social e Democrático de Direito, da solidariedade e da pluralidade. Hoje foi o direito a greve, logo depois da prisão em segunda instância, da violação de domicílio. Tudo indica que virá o fim da educação da qualidade e universal, da saúde pública integral, da demarcação das terras, da maioridade penal.
    Estamos diante de um atentado à Constituição e quem o pratica é o seu guardião. Mas a Constituição não é do Supremo, é de todos nós. Pelo direito à greve, contra a PEC 241, pela vida da Constituição, resistiremos.
    Eloísa Machado de Almeida é professora e coordenadora da FGV Direito SP.

    quarta-feira, 26 de outubro de 2016

    Uma dissertação sobre Bullying Escolar



    Título: Cultura, preconceito e indivíduo: análise crítica do bullying escolar.
    Autor: Prof. Murilo de Camargo Wascheck

    Forma bibliográfica de citação: WASCHECK, M. C. Cultura, preconceito e indivíduo: análise crítica do bullying escolar. 2016. 101 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

    Resumo:
    Esta dissertação vincula-se à linha de pesquisa Cultura e Processos Educacionais e discute o bullying escolar na perspectiva da teoria crítica frankfurtiana (mais detidamente, na produção de Theodor W. Adorno e Max Horkheimer). Para tanto, analisamos algumas definições centrais relativas ao bullying escolar e à sociedade, como: preconceito, escola, cultura, mundo do trabalho, indivíduo, violência, narcisismo, estereotipia, ideologia da racionalidade tecnológica, alienação, emancipação, esclarecimento, educação inclusiva, contato e experiência. Do ponto de vista metodológico a natureza desta pesquisa é teórico-bibliográfica. Entre os autores pesquisados, além de Adorno e Horkheimer, destacam-se Karl Marx, Sigmund Freud, Eric J. Hobsbawm, José Leon Crochík, Jurandir Freire Costa. Quanto aos resultados encontrados, estes apontam que, para se estabelecer enfrentamento em relação ao bullying escolar, faz-se necessário reconhecer as contradições presentes nas mediações culturais e institucionais em relação ao sujeito; que o bullying escolar é apenas uma das formas de manifestação de uma violência intensa e tolerada, enraizada pela economia política hegemônica (exploração do trabalho humano, soberania do lucro financeiro, formação para a alienação); e que os determinantes sócio-históricos são insuficientes para a compreensão do bullying escolar e mesmo da cultura: os elementos subjetivos do psiquismo são complementares e essenciais neste processo. De posse desses resultados, conclui-se que, entre as demais instituições, a escola é um espaço essencial para a superação do modelo social opressor vigente; que a emancipação dos sujeitos passa pelo esclarecimento; que, mesmo a violência permeando as relações humanas, naturalizá-la corresponde perpetuar não somente o preconceito, mas também a barbárie; e, finalmente, que a educação inclusiva, quando implementada adequadamente (sem idealizações e devidamente contextualizada), inaugura novos paradigmas capazes de romper, em todos os aspectos, com o modelo social hegemônico, indo além da superação do bullying escolar, mas formando sujeitos verdadeiramente emancipados.


    Para baixar uma cópia gratuitamente

    segunda-feira, 24 de outubro de 2016

    Mestrado em Educação - Univ. Federal Campina Grande / PB



    Estão abertas até 04 de novembro, as inscrições para o Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEd), em nível de mestrado, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). São oferecidas 17 vagas, distribuídas entre as linhas de pesquisa em História, Política e Gestão Educacionais e Práticas Educativas e Diversidade.

    As inscrições devem ser realizadas na Secretaria do PPGEd, localizada no Bloco BC2 do campus sede, sala 203, do prédio novo do Centro de Humanidades (CH). O horário de atendimento é das 08h às 12h e das 14h às 17h.

    O processo seletivo dos candidatos consistirá das seguintes etapas: prova escrita, teste de proficiência em Lingua Estrangeria, análise e avaliação do projeto de pesquisa e entrevista. A seleção será realizada nos meses de novembro e dezembro de 2016 e janeiro e fevereiro de 2017.

    O resultado final será divulgado no dia 17 de fevereiro e as aulas começam no dia 06 de março de 2017.

    As inscrições serão realizadas no período de 17/10 a 04/11/2016, das 8h às 12h e das 14h às 17h, na secretaria do PPGEd/UFCG, no bloco BC2, sala 203 (Prédio novo do CH), da UFCG/Campus Campina Grande, situada na rua Aprígio Veloso, n. 882, bairro Universitário, Campina Grande, Paraíba, Brasil. (Fone: 83 2101-1493) 

    Mais informações confira ACESSO AO EDITAL  

    Fonte: ASCON/UFCG

    terça-feira, 18 de outubro de 2016

    O que aprendemos quando ensinamos Educação Física?

    O nome do livro? O que aprendemos quando ensinamos Educação Física? Relatos da experiência do estágio de docência na Educação Infantil.

    Quem são os autores (orgs)? Tiago de Matos Braga, Jamile Mezzomo Klanovicz

    Como acessar? BAIXE O E-BOOK CLICANDO AQUI






    quarta-feira, 12 de outubro de 2016

    quarta-feira, 5 de outubro de 2016

    Fórum em Defesa da Educação Física - Brasília/DF 25 OUT

    Olá professores e professoras de Educação Física de Goiânia/Goiás/Centro Oeste!!!!

    Forme um grupo, uma caravana e vamos lutar pela nossa área, pela nossa escola!

    As informações estão aí no folder!




    Professores e Professora, UNÍ-VOS!!!!!!



    terça-feira, 4 de outubro de 2016

    I Encontro de Políticas Públicas, Esporte e Lazer e II Jornada Rede Cedes Goiás.

    INSCRIÇÕES CONFIRA AQUI


    INSCRIÇÕES CONFIRA AQUI

    SBPC pede revogação da MP do ensino médio


    I Simpósio de Filosofia, Educação e Psicologia - NUPEFE/FE/UFG

    O NEPEFE – Núcleo de Estudos e Pesquisas em Filosofia e Educação convida para seu I SIMPÓSIO DE FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA 
    Data: 07 a 08 de novembro de 2016
    Local: Faculdade de Educação
    Realização das Inscrições:  
    01/09/2016 a 06/11/2016

    Envio de trabalhos: 
    01/09/2016 a 20/10/2016

    TRABALHOS ENVIADOS ATÉ 20/10/16 TERÃO 50% DE DESCONTO NA INSCRIÇÃO



    MAIORES INFORMAÇÕES NO SITE:

    Informações em geral


    Facebook:

    sábado, 1 de outubro de 2016

    I Colóquio sobre Corporeidade e Interdisciplinaridade - UnB

    Olá pessoal,

    Estamos ajudando na divulgação do I Colóquio sobre Corporeidade e Interdisciplinaridade, organizado pelo Núcleo de Estudos do Corpo e Natureza - Necon, evento intitulado: Meu corpo e o corpo do mundo: sociedades e territorialidades.



    Será realizado no dia 19/10/2016, das 9h às 20h, no Centro Cultural da ADUnB (sala de reuniões e foyer), Campus Universitário Darcy Ribeiro - Universidade de Brasília. 

    As inscrições encontram-se abertas, mas as vagas são limitadas.


    Programação e Inscrições CONFIRA AQUI

    quarta-feira, 28 de setembro de 2016

    Nota Pública - Anped contra MP 746 Ensino Médio

    MP do Ensino Médio – Autoritária na forma e equivocada em conteúdo
    O golpe civil que a sociedade brasileira vivenciou, e que se consumou em agosto de 2016, afastou uma presidenta eleita sem a devida comprovação de crime de responsabilidade e colocou no governo um presidente sem voto popular e legitimidade sobre um projeto de país. Este governo começa agora a evidenciar sua face de ruptura com os direitos sociais defendidos e construídos desde a promulgação da Constituição Federal em 1988.
    A ação do governo Temer com a Emenda à Constituição - PEC 241 - que estabelece o congelamento dos gastos sociais por 20 anos está articulada ao envio de Medida Provisória Nº - 746, de 22 de setembro de 2016 ao Congresso Nacional, alterando o Ensino Médio unilateralmente e sem diálogo com a sociedade.  A MP fragiliza o princípio do Ensino Médio como direito de todo cidadão a uma formação plena para a cidadania e o trabalho, abre canais para a mercantilização da escola pública e evidencia a face mais perversa do golpe contra a sociedade brasileira, os estudantes, seus professores e a educação pública.
    O uso de uma MP para tratar de uma temática importante no âmbito educacional emite o claro sinal de que se trata de um governo avesso ao diálogo. O uso de MP apesar de ser previsto na lei deve ser excepcional. A que interesses obscuros serve uma reforma feita de maneira autoritária e que atropela processos de discussão em curso na Câmara dos Deputados? É possível encontrar na MP claros sinais de propostas de reformadores educacionais e defensores da fragmentação do Ensino Médio e do estabelecimento de canais para parcerias público-privadas.
    É inegável a necessidade do debate sobre as melhores formas e conteúdos de enfrentamento das dificuldades históricas e estruturais desta etapa da educação básica. O que foi determinado pela MP não dialoga com os estudos e pesquisas sobre Educação Básica, Ensino Médio, formação técnico-profissional e as juventudes que os associados da ANPEd e outras associações acadêmicas brasileiras realizaram ao longo das últimas décadas.
    A MP parece desconhecer também que existe toda uma vida de práticas, conhecimentos e experiências de professores e estudantes e que esses são sujeitos de direitos e não apenas consumidores de políticas governamentais.
    Temos uma gama imensa de pesquisadores que já se manifestaram contra o esvaziamento que a proposta representa para uma educação de qualidade e criticaram a retomada de antigas perspectivas elitistas de separação da formação humana segundo origens sociais dos estudantes. Exemplos disso são a extinção da obrigatoriedade das disciplinas de sociologia, filosofia, artes e educação física do currículo, além da possibilidade que qualquer profissional não licenciado possa exercer o magistério. A ANPEd se associa às manifestações do Movimento em Defesa do Ensino Médio que são contundentes quanto aos riscos de esvaziamento do sentido do Ensino Médio, de uma escola pública igualitária e de qualidade para todos. A ANPED reitera a defesa da democracia e do direito a um Ensino Médio como parte constituinte da Educação Básica. Não aceitaremos a imposição de uma reforma autoritária. Iremos ao legislativo em busca do diálogo com parlamentares e apresentaremos argumentos científicos visando a rejeição da MP do Ensino Médio que o governo Temer quer impor à sociedade brasileira!
    Rio de Janeiro, 23 de Setembro de 2016.
    Diretoria da ANPEd (Gestão Resistência e Movimento - 2015-2017)
    Acesse o arquivo (pdf) com a Nota da ANPEd sobre a MP do Ensino Médio

    Nota de Repúdio do CBCE contra a Reforma do Ensino Médio por MP


    Contra as Políticas do governo ilegítimo


    domingo, 18 de setembro de 2016

    Paralisação Nacional 22/09 - Educadores de todo país rumo à GREVE GERAL



    Projetos que colocam em risco os direitos dos PROFESSORES:

    PEC 241/2016: restringe os investimentos em políticas públicas, atingindo gravemente as áreas da educação e da saúde. Na educação, o desmonte será de grandes proporções. A proposta não prevê crescimento de verbas acima da inflação. Com isso, as metas do Plano Nacional de Educação ficam comprometidas. Sem investimentos, a educação básica será prejudicada e não haverá política de valorização dos educadores.

    PLP 257/2016: Concede prazo adicional de 20 anos para pagamento das dívidas dos Estados com a União. Em contrapartida, faz exigências que penalizam os servidores públicos, inclusive da educação, ao limitar a concessão de benefícios na carreira, além de prever aumento da contribuição previdenciária, entre outras medidas. O texto encontra-se no Senado Federal.

    PL 4567/2016: acaba com a garantia legal da Petrobras ser a operadora única do Pré-Sal e ter participação mínima de 30% nos campos licitados, além de acabar com o regime de partilha. As escolhas da Petrobras serão submetidas ao presidente da República e será dele a palavra final. Na prática, isso significa entregar a nossa maior riqueza ao capital estrangeiro em troca de interesses políticos.

    PL 190/2015: conhecido como “Escola sem Partido”, ignora o caráter plural e democrático da educação, garantidos na Constituição Federal e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB, além de confundir o inevitável e saudável debate político com uma mera questão partidária. O texto menospreza o papel de formação cidadã e social dos alunos. No âmbito federal, tramita no Senado o PL 193/2016, o qual prevê que se proíba o que alegam ser doutrinação política, ideológica e religiosa nas escolas. Ambos projetos ignoram que educadores e estudantes, através de sua liberdade de expressão, são capazes de construir suas concepções de ser humano e sociedade a partir dos elementos de ensino em sala de aula.

    Contra a Reforma da Previdência: Os trabalhadores têm sido as principais vítimas dos sucessivos ataques à previdência. A Reforma pretendida elimina a diferença de tratamento entre homens e mulheres e, ainda, elimina a aposentadoria especial dos professores no requisito de idade para aposentadoria, estabelecendo 65 anos de idade para todos indistintamente. Isso resultará na diminuição de postos de trabalho para as novas gerações. Dessa forma, a Reforma da Previdência junto com a Reforma Trabalhista causará uma verdadeira catástrofe no mercado de trabalho.

    Em defesa da Lei do Piso: O Projeto de Lei do Piso Salarial foi aprovado, em caráter definitivo, em 2 de julho de 2008. Agora, Temer pretende acabar com o reajuste anual do Piso substituindo-o por um abono para aqueles que apresentarem melhoria no desempenho dos alunos e de suas práticas pedagógicas. Não vamos permitir que esta árdua conquista seja retirada.