domingo, 21 de fevereiro de 2010

Saúde e tecnologia - a voz do passado e do presente...


Mestre e referência para os médicos gaúchos, Mário Rigatto foi também profético ao prever, nos anos 70, que a tendência da Medicina para o futuro seria o “calote na natureza”, quer dizer, comer e não engordar, ter corpo definido sem fazer exercícios, etc. Mesmo ocorrendo casos com consequências trágicas, como as mortes por complicações da lipoaspiração, isso não tem inibido a imensa procura por esses procedimentos, o que sinaliza um comportamento social persistente. Por trás dessa postura, supõe-se presente a confiança na tecnologia a ponto de que o risco de acidentes (por embolia gordurosa) é interpretado como “probabilidade estatística”, em que índices de erro, percentualmente, não assustam tanto.


Da mesma forma que assumimos riscos individuais em função de expectativas de auto-estima, tendemos também a negligenciar riscos à saúde coletiva dos quais somos alertados, há décadas, por sanitaristas, em relação à qualidade do ar e da água, partes de um mesmo ciclo. Assim como não há tecnologia, no mundo, capaz de impedir a ocorrência de infecção hospitalar – causada pela inevitável resistência dos microorganismos a toda gama de medicamentos de largo uso – já sabemos também que não há, hoje em dia, condições técnicas de preservar a qualidade do ambiente exposto ao somatório de dejetos químicos e biológicos lançados em terra, ar e água continuamente. Pesquisas sobre contaminação das águas (Águas Doces no Brasil, por A. Rebouças, B. Braga e J. Tundisi), revelam a existência de substâncias capazes de induzir efeitos carcinogênicos, mutagênicos e teratogênicos, ou seja, com riscos à nossa saúde e à das futuras gerações.

Ciência e tecnologia tem nos ajudado a nível individual, identificando substâncias úteis à saúde (como a uva contra o colesterol e chuchu contra a hipertensão), mas estamos perdendo o controle sobre as condições mais básicas de saúde pública que são o que fazer com o lixo, com os esgotos, com os poluentes químicos. Se nas bacias do Guaíba, do Sinos e do Gravataí, das quais depende quase metade da população do Estado, a vida está difícil para os peixes, os seres humanos são os próximos a serem afetados.

Não há mágica, nem qualquer recurso científico capaz de restituir às condições propícias originais a terra, o ar e a água afetados pelos somatórios de acúmulos de resíduos do nosso atual padrão de consumo – para os quais quem se dispõs a calcular revelou que seriam necessários quatro planetas, nas condições de uso atuais. Mais racional será redirecionarmos nossas pesquisas e investimentos para “tecnologias limpas” e prevenir ao invés de remediar males previsíveis à saúde pública. Por tudo isso, quando se classificam como “utopias” os apelos à preservação e ao uso racional dos recursos naturais, há que se esclarcer que fantasioso, de fato, é imaginar que possamos usufruir de todos os prazeres ao sabor dos nossos recursos tecnológicos, indiscriminadamente, como se tivéssemos não só quatro planetas, mas também quatro fígados, oito rins e oito pulmões.

Montserrat Martins, Psiquiatra, é colaborador e articulista do EcoDebate.

Fonte: http://www.ecodebate.com.br

EcoDebate, 19/02/2010