sábado, 10 de março de 2012

Um misto de razões e interesses!


A polêmica da liberdade de venda do serviço de TV a cabo por operadoras da telefonia celular. Das que conheço (oi, gvt, claro) faltam poucas para inaugurar e comercializar o serviço.

Na segunda-feira 27 a SKY lançou uma campanha para alterar o projeto, convocando seus clientes a entrar em contato com a Ancine e com o STF, incentivando que eles demonstrem seu descontentamento em relação ao projeto. Entre outras coisas, a lei permite a entrada das empresas de telefonia no mercado de tevê a cabo e determina uma cota mínima de conteúdo nacional a ser veiculada durante o horário nobre dos canais pagos.
Foi exatamente esta exigência a principal responsável pelo mutirão organizado pela SKY. A empresa produziu um vídeo, protagonizado por atletas de equipes por ela patrocinadas, no qual explicou como a aprovação da lei traria consequências negativas aos assinantes de tevê a cabo no País.
No vídeo, intitulado “Refém do seu controle remoto”, o jogador de vôlei Giba, campeão olímpico pela seleção brasileira, afirma: “Esse assunto é relevante para a sociedade, pois é o início de uma grave intervenção nos meios de comunicação”. Durante seu discurso o atleta ainda complementou que uma agência reguladora terá poderes para controlar a programação da tevê paga e que isso afetará diretamente na liberdade de escolha do consumidor.