sexta-feira, 27 de abril de 2012

PALESTRA: “Anti-Baixaria”: Pânico Moral, Violência de Estado e Masculinidade Negra na Bahia

O Grupo de Estudos Pós-estruturalistas e Práticas Identitárias, com apoio do Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística, promove:

Palestra: “Anti-Baixaria”: Pânico Moral, Violência de Estado e Masculinidade Negra na Bahia
Palestrante: Prof. Dr. Osmundo Pinho (Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, campus de Cachoeira)

Data e horário: Dia 7 de maio, às 14h30, Mini-auditório da Faculdade de Letras/UFG

Segue resumo:

“Anti-Baixaria”: Pânico Moral, Violência de Estado e Masculinidade Negra na Bahia
Osmundo Pinho
Centro de Artes, Humanidades e Letras
Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, campus de Cachoeira
 
Refletiremos sobre o pano de fundo racializado para a aprovação, pela Assembléia Legislativa do Estado da Bahia, da chamada “Lei Anti-Baixaria”,  que impede o repasse de verbas públicas para artistas que em suas canções degradariam a dignidade da mulher. A coabitação de um novo moralismo com o velho racismo, atribui aos artistas e bandas do chamado “pagode”  a responsabilidade pela suposta degradação de valores morais e aviltamento da mulher (e da civilização). Tal penalização encontra encarnação justamente nos homens jovens negros, “pagodeiros”, identificados sob a mesma posição social das principais vítimas da violência homicida no Brasil, inclusive e principalmente aquela perpetrada pelo Estado. Nesse sentido, buscamos situar a aprovação da Lei no cenário do genocídio negro (e masculino) no Estado da Bahia.