quinta-feira, 7 de junho de 2012

UFG Goiânia - NOTA DE ESCLARECIMENTO À COMUNIDADE ACADÊMICA



O dia 06 de junho de 2012 marcou um momento histórico dentro da Universidade Federal de Goiás. Neste dia aconteceu a maior assembleia de deflagração de greve de professores ocorrida nos 50 anos desta Instituição. Nesta assembleia, os professores decidiram pela deflagração da greve no dia 11 de junho.
Esta participação massiva dos docentes foi produto do gravíssimo cenário em que se encontra o ensino público do país e que alimentou um dos mais fortes movimentos grevistas na história das universidades federais. Este cenário é marcado pela estagnação do GT de carreira, pelo não avanço das negociações salariais e pela mudança na forma dos cálculos da insalubridade. Assim, a única alternativa viável de negociação dos docentes com o governo é a greve.
Num momento de grande tensão, em que os professores são constantemente desrespeitados pelo governo, a postura adotada pela diretoria da ADUFG-Sindicato foi desastrosa: a presidente do sindicato, logo após iniciar a Assembleia, decidiu pelo seu cancelamento, usando como justificativa o fato de que alguns professores filiados ao sindicato estavam de pé e outros, não filiados, estavam sentados. A decisão arbitrária de cancelar a assembleia sem realizar uma votação, enquanto o plenário clamava pela sua continuidade, gerou comportamentos agressivos entre diretoria e plenário, mas nada que justificasse a retirada da diretoria da ADUFG–Sindicato, já que a situação foi rapidamente controlada e não restava nenhuma ameaça contra qualquer um dos presentes (fato que está registrado em vídeo e disponível na internet em versão sem cortes, diferente daquela sem som e com cortes divulgada pela diretoria).
Tanto que, mesmo após a saída da diretoria, a imensa maioria dos professores permaneceu no local, pois foi entendimento de todos que o momento extrapola posições pessoais, partidárias e sindicais. A maior prova disso é que os sete membros do Comando Local de Greve eleitos pela Assembleia, conformam um grupo bastamente heterogêneo, contendo até mesmo um membro do Grupo de Apoio da ADUFG-Sindicato e do Conselho Deliberativo do PROIFES. Isto contradiz frontalmente a versão de que o Comando está nas mãos de grupelhos opositores; além disso, afirmar que uma assembleia de centenas de professores foi manipulada por quem quer que seja é uma ofensa aos professores da UFG.
Assim, o Comando Local de Greve, eleito por aclamação na assembleia, avalia que os desentendimentos ocorridos não devem prevalecer sobre os anseios de toda uma categoria de trabalhadores e defende a unificação do movimento grevista com a diretoria da ADUFG-Sindicato. Acreditamos que estamos todos no mesmo barco e qualquer divisão só fortalece aqueles que são realmente nossos adversários.

COMANDO LOCAL DE GREVE – UFG-Goiânia
Goiânia, 07 de junho de 2012