quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Infância livre do Consumismo


No último dia 6 de outubro, mais de 30 grupos de voluntários atenderam o chamado do Instituto Alana e realizaram feiras de troca de brinquedos por todo o país. Em cidades como Goiânia, Salvador, Brasília, Recife e Belo Horizonte, as crianças e suas famílias tiveram a oportunidade de ter uma experiência diferente, de experimentar o consumo realmente responsável, de refletir sobre o consumismo e, claro, de confraternizar com outras famílias.
Para os grupos que organizaram as feiras a experiência também foi transformadora. Os voluntários – muitos pais e mães – e os frequentadores das feiras puderam observar de perto que o trabalho que têm desenvolvido, tantas vezes desacreditado, na verdade atinge em cheio o coração das pessoas. Ficou claro que tratam de um tema que não está incomodando só a eles, mas sim a todas as famílias afetadas por nosso atual modelo de consumo.
Alguns desses voluntários compartilharam suas experiências conosco. Confira como foram as Feiras de Troca de Brinquedos em algumas cidades brasileiras:
Salvador
“Em Salvador a equipe de organização e os convidados mobilizados através de nossas redes de amigos passaram a semana tensos com o tempo. O sábado amanheceu chuvoso, mas os bem-te-vis anunciavam um belo sol que apareceria a tempo de começarmos a Feira de Troca de Brinquedos com um belo dia. Cerca de 300 famílias passearam pelo Parque da Cidade e trocaram brinquedos. Crianças de todas as idades felizes em negociar, em brincar com um novo brinquedo impregnado de boas energias e de ver outra criança dando sentido àqueles objetos que um dia tiveram grande significado, mas que, naquele momento, para eles, não tinham mais!
Teve contação de histórias com a temática do consumismo e do valor das coisas. Teve oficina de baragandão que coloriu o parque. Teve slack line para equilibrar corpinhos energizados. Teve piquenique com frutas frescas. Teve ambulante que foi chegando para garantir a água para refrescar. Teve policiamento cuidadoso. Teve jornal e rádio com profissionais curiosos sobre o ineditismo da iniciativa. Teve apoio financeiro de parceiros que acreditaram na ideia. Teve encontro de amigos que há muito não se viam. Teve adulto colocando o papo em dia debaixo da sombra das árvores. E o principal, teve criança feliz e uma pergunta constante: ‘quando teremos outra?’”. (Mariana Sá)
Goiânia
“A resposta das pessoas à proposta da feira de troca de brinquedos deixou todo o grupo de voluntárias de Goiânia agradavelmente surpreso! Mais de 130 pessoas estiveram no Parque Flamboyant, naquele belo sábado ensolarado, dispostas a trocar brinquedos, conversar com outras famílias, fazer novos amigos. O clima não poderia ser mais harmonioso!
Tivemos oficina de arte reciclagem e contação de histórias. As crianças corriam felizes pelo parque, e seus pais vinham nos falar como a ideia tinha sido boa, que precisávamos fazer mais desse tipo de programa com as crianças. É simbólico que, em uma manhã com tantas histórias boas para contar, a imagem que sempre me vem à cabeça, quando penso na feira, é a de um menino de seus 7 anos, com seu “novo” carrinho – um daqueles de pedal, já desgastado pelo uso. Este menino transbordava felicidade. Naquele momento, ficou claro como aquela experiência tinha sido inesquecível para todos que estiveram naquele parque”. (Agnes Arato)
Brasília
“A experiência vivida na 1ª Feira de Troca de Brinquedos de Brasília no Jardim Botânico foi inesquecível! Só quem esteve presente sabe do que estou falando. Foi maravilhoso ver as crianças ávidas por trocar seus brinquedos e, logo em seguida, brincar.
O clima era de uma grande festa entre amigos. Todos estavam à vontade com suas crianças, que puderam brincar ao ar livre com outras crianças, aprender um pouco sobre meio ambiente na oficina de educação ambiental, onde plantaram árvores e regaram as plantas do Jardim dos Cheiros. Brincaram com os malabares do Circo do Zé, pintaram com a artista plástica Andrea Gozzo, fizeram bolhas de sabão gigantes com dois gravetos e linha, participaram da contação de história com Juliana Maria e ouviram as histórias cantadas de Alessandra Roscoe! Além disso tudo, ainda tinha a mesa de frutas, água e suco cedida pelo Big Box e que fez a alegria de todos.
Foi muito gratificante ver que é possível fazer diferente. A adesão de tantas famílias a esta proposta demonstra que estamos carentes da liberdade do brincar!”. (Raquel Fuzaro)
Belo Horizonte
“Em Belo Horizonte, a Feira mobilizou centenas de pais animados com a nova experiência. E a principal regra era deixar as crianças negociarem sozinhas. Com exceção das crianças menores, que precisaram da ajuda dos pais e dos voluntários, a grande maioria deu conta do recado. Se na ida a uma loja as crianças costumam ganhar o que querem após uma birra ou choro, na Feira de Troca, entre os pequenos, estas estratégias não tinham vez. As crianças falavam de igual para igual e mostravam muitas habilidades, além de paciência, compreensão e respeito.
E na Feira cada brinquedo é único e especial, e traz com ele uma história já vivida: diferente da loja que tem vários do mesmo tipo, sem nenhuma marquinha de uso ou arranhão. Após três horas de muitas conversas, negociações e trocas, muitas amizades foram feitas, muitas habilidades exercitadas e teve muito aprendizado novo, de um consumo colaborativo. O que não tem tanta utilidade para uma pessoa pode ser muito interessante para outra. E com isso usamos menos matérias-primas, água, energia, e geramos menos resíduos. Os brinquedos obtidos na Feira de Troca não vieram embalados, eram apenas brinquedos, sem logomarcas, frases de efeito, caixas de papelão ou plástico e todos os apelos comerciais da publicidade dirigida à criança, que pode ser considerada abusiva pelo Código de Defesa do Consumidor por fazer uso da ingenuidade delas. Na Feira foi possível experimentar os brinquedos antes de levar para casa, foi possível ver que muitos objetos usados valem como novos na imaginação de uma criança”. (Desireé Ruas)