segunda-feira, 5 de maio de 2014

A educação espera as mudanças, mas quem haverá de promovê-las?

Em alguns lugares a tarefa de ensinar pode estar evoluindo a passos largos, enquanto em outros, ainda sentimos o aroma do século XIX, nas cores das paredes, no uso da lousa e do giz e na estratégia de ensino que não consegue superar os padrões do copismo.

Que tal inspirar-se ainda que utopicamente, numa perspectiva sobre o uso das TIC's no interior da sala de aula? Mais ainda, numa perspectiva sobre o uso da tecnologias que estão já instauradas na lógica do fazer da geração que hoje vive a escola?

Este é um protótipo da relação tecnologia-escola, elaborado pela Intel, em que a tecnologia não isolou ninguém, não viciou ninguém e exigiu um nível de trabalho colaborativo interessante entre mestre e estudantes e entre estes e outros especialistas.